Buscapé

http://links.lomadee.com/ls/Mk5KNDt4cUtUTGNTejsyNzgzNjY0OTswOzE3NjszMzU5OTQ4NjswO0JSOzM7OzA-.html

Facebook

sábado, 22 de abril de 2017

Grandes Discos Brasileiros | 'A Turma do Balão Mágico' - A Turma do Balão Mágico (1983)



Na série os Grandes Discos Brasileiros não poderia faltar um trabalho infantil, mas quando se pesquisa grandes trabalhos com produções sérias e melodias completamente perfeitas não se encontra tantos registros, mas encontra discos que venderam milhões de cópias e que trouxe consigo canções que marcaram uma geração de crianças que hoje são adultos e sentem falta destas canções, ou seja, há de constatar que as canções infantis, principalmente na década de 80 e 90 foram as melhores. Entre artistas deste ramo vamos destacar a A Turma do Balão Mágico que apareceu como um daqueles fenômenos que teve uma boa duração e soube entrar e sair de cena na hora certa.




A Turma do Balão Mágico surgiu em 1982 e terminou em 1986 e nestes anos de atuação soube fazer tudo na hora certa, inclusive nas escolhas dos singles foram tiros certos. Todos os álbuns do grupo foram bem produzidos e pensados letra a letra para atingir todas as crianças, de acordo com sua personalidade, gerando trabalhos inteligentes. Foram cinco discos, sendo três deles de alta aceitação do público, mas vamos destacar A Turma do Balão Mágico, de 1983.


Encarte do disco de 1983

O maior hit do Balão Mágico estava neste álbum e se chamava "Superfantástico" que seria uma forma de apresentar até então a filosofia do grupo, que a sensação de ser feliz era a melhor e quem era feliz tinha que fazer parte e viajar no Balão. Nesta canção tem a participação do cantor Djavan.

A canção "Ai Meu Nariz!" foi outro grande hit e que animava as festinhas de aniversário com um refrão bem chiclete. A canção foi regravada anos depois por outros artistas da música infantil.

O disco girava em torno de alguns personagens e gerava neles canções divertidas com letras engraçadas, tais como "Seu Felipe, Dorminhoco" que tinha uma melodia bem alegre, assim como na canção "O Meu Avô".


Em 1983 neste disco o Balão Mágico era um trio e logo depois se tornaram um quarteto


Outra grande hit do Balão Mágico que talvez seja a canção favorita de muitos adultos que antes eram crianças naquela época é "Ursinho Pimpão", que era interpretada apenas por Simony. A canção tinha uma melodia como nas canções de ninar e nela uma letra um tanto quanto lúdica e que gera uma emoção ao ouvir, isso até por conta da mistura de interpretação e melodia.

Integrantes do álbum eram  Simony, Mike e Tob


Faixas

Faixa Título


1
Superfantástico
2
Ai Meu Nariz! 
3
Ursinho Pimpão 
4
O Meu Avô 
5
Você e Eu
6
Seu Felipe, Dorminhoco
7
Juntos 
8
Gaguejei
9
Amigo e Companheiro
10
Mãe-Iê


Ouça o Disco




Grandes Discos Brasileiros | 'Seu Espião' - Kid Abelha (1984)



O nosso rock estava numa fortíssima ascensão no cenário musical brasileiro e muitas bandas surgiam, uma melhor que a outra, mas quem era bom de verdade conseguia sobreviver e foi o caso do grupo Kid Abelha, que na verdade se chamava Kid Abelha e os Abóboras Selvagens. O grupo surgiu em 1981, mas chegou ao estrelato em 1984 se tornando uma das maiores bandas de todos os tempos, sem falar que cada integrante tem seu destaque como Paula Toller como uma das maiores cantoras brasileiras de todos os tempos e George Israel como um dos maiores instrumentistas brasileiros.





O grupo Kid Abelha já tocava em alguns shows e tinha um feedback muito positivo dos colegas, da critica e dos fãs que surgia a cada show. Faltava algo para completar seu ápice que era o lançamento de seu primeiro disco e eis que em fevereiro de 1984, em pleno verão o grupo lançava Seu Espião que trazia consigo grandes canções, sendo algumas já conhecidas pelo público que já os acompanhavam em pequenos e médios shows.


O grupo Kid Abelha meados de 1984/85

Para a gravação deste disco haviam cinco integrantes, sendo eles Paula Toller nos vocais, George Israel no sax e vocais, Bruno Fortunato nas guitarras, Leoni no baixo e vocais e Beni Borja na bateria. Há de ressaltar que quem produziu este disco foi nada mais que Liminha, um dos maiores produtores que o Brasil já teve.

O disco reuniu muitos hits e mega hits e com certeza muitos devem concordar que este foi o melhor disco do grupo e muitas canções são parte da sua história e devem guardar alguma lembrança com pela menos uma canção.

Todos os integrantes de uma certa forma ajudaram na composição das letras, mas Leoni foi o grande autor deste disco compondo todas as dez faixas, seja elas sozinho ou acompanhado de um Kid Abelha.

Difícil apontar o maior  hit deste disco, mas quero começar a falar de "Como Eu Quero" que é a minha faixa favorita e ficou fenomenal tanto a letra e a melodia. Paula Toller mostra uma afinação maravilhosa e uma forma de interpretar bem doce, dando vida a cada palavra. A canção teria sido excluída deste disco pelo produtor, mas Paula Toller insistiu em colar essa canção, pois sabia do poder, ainda mais que ela falava de empoderamento feminino.

A canção "Pintura Íntima" deve ter sido aquela que mais emplacou de forma longa e após uma regravação anos depois ela se tornou ainda mais pedida e tocada nas rádios. Nessa canção em especial ouvimos solos de sax de George Israel.



A canção "Fixação" é um dos maiores sucessos do grupo e achei particularmente uma das mais bem produzidas para este disco. Tem uma letra que de início parece difícil de entender, mas são aqueles insights musicais que alguns artistas encontravam e a inspiração era fatal.

Temos na canção "Alice (Não Me Escreva Aquela Carta De Amor)" uma composição melódica perfeita, onde todos os instrumentos se conversam muito com e casam com a voz de Paula e uma letra muito bem composta.




Na canção "Porque Não Eu?" vemos uma letra mais séria, talvez a que fale melhor de romantismo e foi um dos grandes sucessos deste disco, segundo informação uma das últimas lançadas deste álbum.

A canção que abre o disco é a faixa título "Seu Espião" que lembra uma forma bem peculiar de tocar nos anos 80, onde os teclados se misturam a sintetizadores, dando um teor um pouco brega, mas bem chique em sua composição e toda melodia.

O disco vendeu muito bem, chegando a ultrapassar 150 mil cópias vendidas, sendo um dos mais marcante do ano de 1984. A crítica no início não foi tão positiva, afirmando que as letras eram fracas e fúteis, pois a maioria das bandas de rock na época vinham com letras fortes, muitas delas com protesto, mas ao ver o sucesso de vendas e de público, entendeu-se a necessidade do rock nacional ser mais flexível.


Faixas

Faixa Título Compositor(es)



1
Seu Espião
Leoni, Paula Toller, Herbert Vianna
2
Nada Tanto Assim
Leoni, Bruno Fortunato
3
Alice (Não Me Escreva Aquela Carta De Amor)
Leoni, Toller, Fortunato
4
Hoje Eu Não Vou
Leoni, Beni Borja, Toller
5
Fixação
Leoni, Beni Borja, Toller
6
Como Eu Quero
Leoni, Toller
7
Ele Quer Me Conquistar
Leoni
8
Porque Não Eu?
Leoni, Toller, Vianna
9
Homem Com Uma Missão
Leoni, Beni Borja
10
Pintura Íntima
Leoni, Toller



Ouça o Disco



sexta-feira, 21 de abril de 2017

Grandes Discos Brasileiros | 'Indiferença' - Oficina G3 (1996)



A música Gospel brasileira atualmente está no seu melhor momento, sendo um dos três estilos musicais que mais vendem produtos como CDs, canções e downloads pagos. Lá no passado o estilo Gospel além de ter pouco espaço na TV e nas rádios, haviam muitos "nãos" das gravadoras e eis que surgiam naquela época a Gospel Records e a MK que produziram grandes discos. Nos anos 90 com o crescimento da religião evangélica muitos cantores e grupos surgiram, mas eis que um bem diferente do padrão gospel apareceu e encantou muitos jovens que foi o Oficina G3 que era um grupo Gospel, mas em forma de Rock, Heavy metal, hard rock e tudo que era mais pesado para atingir um público específico e eles conseguiram.



Sua estreia  no mercado musical foi cercado de críticas positivas e negativas, mas não importavam a opinião da crítica e o Oficina G3 partiu com sua coragem para o segundo álbum chamado de Indiferença, lançado em 1996. Este álbum foi recebido com mais críticas positivas do que o de estreia, pois mostrava um amadurecimento do grupo, sem falar que era ousado misturar um rock tão pesado com letras cristãs, inclusive eles influenciaram novas bandas gospel no mesmo estilo que surgiu na década de 90.

Muitas canções deste disco tiveram destaque entre os fãs e tocou em emissoras de rádio gospel e também na TV. Começo a destacar a faixa "Espelhos Mágicos"  que é considerada uma das maiores canções gospel já gravadas e muitos consideram como a melhor canção do Oficina G3.


Oficina G3 no auge da sua carreira, na década de 90

Outra faixa de destaque é a faixa título "Indiferença" que tem uma letra que seria um protesto e uma forma de mostrar diferentes realidades, mas focando quem está na miséria e que busca o seu melhor, mas encontra um gesto mudo do outro lado quando pede socorro e na letra sugere que abrimos o vidro do nosso coração, simulando como se estivéssemos dentro de um carro.

A faixa "Davi" é outra obra prima do grupo, falando justamente do trecho bíblico do confronto entre Davi e Golias. Na letra fala também que não nos devemos sentir pequenos em confrontos da vida e enfrentar todos os gigantes que nos afrontam.

"Magia Alguma" é outra canção muito bem composta e fala do encontro de uma pessoa com Deus, como se de fato ele tivesse crendo e vendo. Esta faixa vem numa sintonia mais calma, sem o tom pesado de rock e o mesmo vemos na canção "Novos Céus"  que é uma das minhas favoritas.


Integrantes do Grupo neste disco:

Luciano Manga - vocais
Juninho Afram - guitarras, violão e vocais
Duca Tambasco - baixo e vocal de apoio
Jean Carllos - teclado e vocal de apoio
Walter Lopes - bateria e vocais


O grupo eram formado por cinco integrantes e quem era o vocalista principal em 1996 era Luciano Manga que logo depois sairia da banda, porém o grande músico do Oficina G3 neste álbum e até hoje é o guitarrista Juninho Afram que ganhou muitos fãs, sendo eles não cristãos e sim fãs de Rock e Heavy Metal. Além de tocar guitarra, Juninho cantava algumas das faixas.


Faixas

Faixa Título Compositor(es)



1
Davi
Walter Lopes e Cláudia
2
Oficina G3
3
Magia Alguma
Mike
4
Glória Inst.
Juninho Afram
5
Glória
Domínio Público
6
Profecias
Juninho Afram
7
Espelhos Mágicos
Juninho Afram
8
Novos Céus
Juninho Afram
9
Indiferença
Oficina G3
10
Duca's Jam
Duca Tambasco
11
Contra-Cultura 
Juninho Afram
12
Your Eyes
Juninho Afram
13
Your Eyes II Inst.
Juninho Afram
14
Não Temas
Juninho Afram
15
Rei de Salém
Túlio Régis


Ouça o Disco



terça-feira, 18 de abril de 2017

Grandes Discos Brasileiros | 'Roberto Carlos' - Roberto Carlos (1976)



Dia 19 de abril é o aniversário de 77 anos de Roberto Carlos e acho que não precisamos explicar o quanto ele é importante para a história da nossa música. São dezenas de discos e inúmeros sucessos que tocaram nas rádios, na televisão e no seu coração, sem falar das canções que são "lado B" e que apenas fãs e admiradores tem conhecimento. Obviamente Roberto Carlos não poderia ficar de fora da série Grandes Discos Brasileiros e se o projeto for bem a frente dá para incluir diversos de seus trabalhos.




Quem acompanha o Blog deve saber exatamente os discos que eu mais admiro da carreira de Roberto Carlos, mas vamos começar a falar do disco Roberto Carlos, de 1976 que tem grandes canções e todas as 12 faixas são espetaculares e tinha este disco quando criança e tenho boas lembranças da minha infância.

Deste disco a minha faixa favorita pode variar dependendo do momento que encontro na minha vida, mas destaco em primeiro lugar "O Progresso" que tem uma letra que é uma crítica ao avanço tecnológico e das coisas que os homens faz para que estes avanços seguem em frente como desmatar de forma criminosa ou poluir os rios fazendo com que as baleias morrem e no fim Roberto cita que queria ser civilizado como os animais que sofrem com a degradação.



A faixa que inicia o disco é "Ilegal, Imoral ou Engorda" que seria uma crítica aqueles jornalistas que escreviam falando que Roberto era uma má influência para a juventude e qualquer coisa que ele gostava ou era imoral, ilegal ou engordava.

Roberto não poderia deixar de cantar o romantismo e em "Os Seus Botões" ele interpreta de forma fenomenal o encontro de um casal em uma melodia impecável. O mesmo tom vemos na faixa "Você em Minha Vida" que tem uma letra muito bem composta.

A canção "Preciso Chamar Sua Atenção" assim como muitas letras são de sua autoria e do Erasmo Carlos, porém esta canção Erasmo também gravou. A canção é bem descritiva falando de um homem que tenta de todas as formas chamar a atenção de uma mulher.



Uma característica de Roberto Carlos bem peculiar é falar de uma mulher específica como a madrasta, a mulher de óculos, a índia, entre outras e neste disco ele canta "Minha Tia" e fala de dos seus tempos de infância na Tijuca e que essa sua tia de sangue ou não o ajudava.

O cantor Wando compôs  a canção "A Menina e o Poeta" e Roberto Carlos interpretou de forma impecável numa melodia fina e suave.


Faixas


Faixa Título Compositor(es)



1 Ilegal, Imoral Ou Engorda Roberto Carlos - Erasmo Carlos
2 Os Seus Botões Roberto Carlos - Erasmo Carlos
3 O Progresso Roberto Carlos - Erasmo Carlos
4 Preciso Chamar Sua Atenção Roberto Carlos - Erasmo Carlos
5 O Dia-a-Dia Néneo - Fred Jorge
6 Pelo Avesso Isolda - Milton Carlos
7 Você Em Minha Vida Roberto Carlos - Erasmo Carlos
8 A Menina E O Poeta Wando
9 Comentários Maurício Duboc - Carlos Colla
10 Minha Tia Roberto Carlos - Erasmo Carlos
11 Um Jeito Estúpido De Te Amar Isolda - Milton Carlos
12 Por Motivo De Força Maior Getúlio Cortes



Ouça o Disco



Grandes Discos Brasileiros | 'Lado B Lado A' - O Rappa (1999)



Atualmente o grupo musical O Rappa é uma das melhores do momento, mas sabemos que eles não vivem momentos áureos como foi assim que surgiu nos anos 90 e anos depois, porém o grupo tem fãs espalhados pelo país todo que entendem e compreendem suas músicas que são às vezes politizadas ou alguma crítica social com muito estilo, letras inspiradoras e uma ótima aparelhagem em seus instrumentos.




Foram grandes álbuns gravados, mas hoje falaremos do vitoriosos e extraordinário trabalho chamado Lado B Lado A, lançado no ano de 1999 e que rendeu inúmeros sucessos nas rádios brasileiras, clipes bem produzidos, grande avaliação da crítica onde alguns apontavam como o grande trabalho daquele ano, uma boa produção de Chico Neves, e claro letras muito bem escritas e inspiradoras de Marcelo Yuka que era até então o grande poeta do grupo.

Havia uma dúvida naquela época de qual era o verdadeiro estilo musical de O Rappa, pois já se notava uma forma diferente de fazer música e quem não conhecia bem achavam que eles tocavam reggae, mas se for definir neste disco é uma mistura de rock com reggae com dub e com algo experimental.

Só neste álbum foram pelo menos seis sucessos, alguns se tornando mega hits que tocam até hoje nas rádios e acredito que muitos irão concordar, mas a canção "Minha Alma (A Paz que Eu Não Quero)" além de ser o maior sucesso deste álbum é um dos três maiores do grupo. A canção antes de ser finalizada se chamaria "As Grades do Condomínio São Pra Te Dar Proteção", mas teve seu nome mudado por pressão do diretor-executivo da Warner Music à época do lançamento. É uma das principais canções que tem como cunho a critica social.


O Rappa e demais integrantes em 1999


Outro grande sucesso deste álbum é "O Que Sobrou do Céu" que tem uma letra muito bem escrita pelo Marcelo Yuka e junto a parte instrumental ficou uma canção simplesmente linda. A canção assim como as outras tem seu lado politizado e mostra uma crítica social.

A canção "LadoB LadoA" é mais uma inspiração de Marcelo Yuka e talvez seja a canção com mais rock pesado, pois se nota pelos fortes riffs de guitarra por Xandão que foi um excelente músico neste álbum. A canção "Me Deixa" é outro que abalou e fez um grande sucesso nas rádios brasileiras e é uma das favoritas de muitos fãs do grupo por ter uma característica de saideira.

O Rappa em sua formação nos anos 90

Há outras boas canções neste álbum que poderiam muito bem ter sido mega hit, mas são canções inesquecíveis pelos fãs, tais como "Homem Amarelo" que tem uma letra bem criativa, falando da mistura de povos e uma parte instrumental simplesmente perfeita. Outra canção de grande produção é "Cristo e Oxalá" que tem uma letra com uma característica parecida, tratando da mistura de povos, mas em seres ancestrais. A faixa "Se Não Avisar o Bicho Pega" é outra grande canção deste disco que foi revisitada anos depois em formato acústico e ficou sensacional.


Faixas


Faixa Título Compositor(es)



1
Tribunal de Rua
Marcelo Yuka
2
Me Deixa
Marcelo Yuka
3
Cristo e Oxalá
Marcelo Yuka
4
O Que Sobrou do Céu
Marcelo Yuka
5
Se Não Avisar o Bicho Pega
Jorge Carioca, Marquinho PQD, Marcinho,
6
Minha Alma (A Paz que Eu Não Quero)
Marcelo Yuka
7
LadoB LadoA
Marcelo Falcão, Marcelo Yuka
8
Favela
Marcelo Falcão, Xandão
9
Homem Amarelo
O Rappa
10
Nó de Fumaça
Marcos Lobato
11
A Todas as Comunidades do Engenho Novo
Marcelo Falcão
12
Na Palma da Mão
Marcelo Yuka



Ouça o Disco



domingo, 16 de abril de 2017

Grandes Discos Brasileiros | 'Refazenda' - Gilberto Gil (1975)



O cantor Gilberto Gil na minha opinião é um dos três maiores da nossa história e confesso que conheci tarde seus trabalhos, mas já conhecia algumas de suas famosas canções. Quando dediquei a a procurar seus trabalhos como seus discos vi que a riqueza de seus trabalhos é muito grande e sua capacidade artística é impressionante, sabendo não só interpretar, mas como tocar instrumentos e experimentar vários estilos musicais dentro da MPB.




Entre tantos trabalhos que Gil fez um dos que mais me encantou foi o disco Refazenda, gravado em 1975. Esse trabalho seria uma amostra de sua versatilidade com a música, sabendo se impor em qualquer estilo e mostrando um jeito diferente de compor suas canções, tanto na letra e nas melodias já que o Tropicalismo já tinha atravessado o fim de sua linha.

Dentre as canções já destaco a faixa "Refazenda" que dá nome ao disco. O verbete era diferente e nunca visto em um dicionário, gerando um misto de estranheza e compreensão com o que ele queria dizer com essa palavra. A letra da canção é uma poesia e ouvi ela na Faculdade em uma das atividades referente as palavras ditas, ou seja, a canção de fato é uma aula. A canção foi muito bem recebida, mas também teve críticas dos militares por acharem que era uma afronta ao governo da época por conta de alguns trechos. Entre as canções da carreira de Gil é uma das minhas cinco canções favoritas.


Gilberto Gil entre 1975/1976

Outra grande canção deste disco é "Tenho Sede" que não é de sua autoria, mas soube muito bem exercer a função de interpretar com maestria essa faixa que mostra uma belíssima letra como se  Gilberto Gil tivesse composto, mas a canção é de Dominguinhos.

A faixa "Ela" tem um estilo que ainda faz lembrar os tempos do Tropicalismo, mas lembra também um jeito nordestino de tocar, forma que foi inspirado em todo disco.

Vejamos uma simplicidade de som na canção "Pai e Mãe" e achei riquíssima a canção por conta da sua letra que juntando ao violão e a voz serena de Gil a canção se transforma em algo único.

Uma canção que foge um pouco do foco do disco é a faixa "Esse é Pra Tocar no Rádio" que parece um trava língua por conta da rapidez na interpretação. É uma canção divertida, mas pode ser considerada uma a mais fraca deste disco.

No disco tem mais uma assinatura de Dominguinhos, mas desta vez em parceria com o próprio Gilberto Gil, que é na faixa "Lamento Sertanejo" que é uma obra linda de voz, violão e letra muito bem composta.


Faixas

Faixa Título Compositor(es)



1 Ela  Gilberto Gil
2 Tenho Sede  Dominguinhos, Anastácia
3 Refazenda  Gilberto Gil
4 Pai e Mãe  Gilberto Gil
5 Jeca Total  Gilberto Gil
6 Esse é Pra Tocar no Rádio  Gilberto Gil
7 Ê, povo, ê  Gilberto Gil
8 Retiros Espirituais  Gilberto Gil
9 O Rouxinol  Gilberto Gil, Jorge Mautner
10 Lamento Sertanejo  Gilberto Gil, Dominguinhos
11 Meditação  Gilberto Gil


Ouça o Disco



domingo, 9 de abril de 2017

Grandes Discos Brasileiros | 'Preste Atenção' - Thaíde & DJ Hum (1996)



O fim dos anos 80 e durante os anos 90 um dos estilos musicais que mais cresceu foi o Rap e o Hip Hop que dominavam em comunidades. Era e ainda é uma cultura muito rica nesses lugares onde a letra, a melodia e a dança eram levados a sério. Nas letras geralmente era uma tradução do que acontecia como os problemas sociais, a violência, a busca pela paz, as pessoas que viviam nas comunidades e opiniões políticas. Muitos grupos, cantores e demais artistas apareceram e muitos deram certo, entre eles Thaíde & DJ Hum que formaram a melhor dupla de Rap e Hip Hop de um tempo bom que não volta nunca mais.




Muitos álbuns foram lançados pela dupla, mas o melhor deles e um dos melhores da história do Rap Nacional é o Preste Atenção de 1996 que mostrou um lado do Thaide mais poético, inovador e criativo, trazendo letras mais fortes e falando da realidade, sonhos e um desejo de um bom futuro que vem acompanhado através de um outro talento que é o som que faz DJ Hum.


A dupla Thaíde & DJ Hum


O maior sucesso deste álbum sem dúvidas é a faixa "Sr. Tempo Bom" que faz parte dos maiores sucessos do Rap Nacional e que tem uma letra que possui um dos refrões mais cantados. A letra obviamente fala do passado do próprio Thaíde. Sua infância, sua família, os anos 70 e as pessoas que o ajudaram a evoluir como pessoa são lembrados nos versos. O rapper ainda presta homenagem para Tim Maia, Toni Tornado, Jorge Ben, Nelson Triunfo, enfim, a todos que serviram de inspiração para sua pessoa. 

Outra canção que foi um grande sucesso e bem aceita foi "Afro Brasileiro" que fala do valor do homem negro, também fala sobre a batalha do cotidiano que não é nada fácil de vencer. Thaíde faz uma homenagem a Zumbi dos Palmares e sua história de lutas. 




A faixa título "Preste Atenção" é uma forma de Thaíde dizer que o que virá no disco é verdadeiro, sem rodeios. Na letra há uma mensagem que é vinda como um conselho para quem está ouvindo, exaltando a importância de seguir em frente com a cabeça erguida, trabalhando e estudando, para que o futuro seja melhor.

A faixa "Máquina de Vacilar" é uma dura crítica a pessoas que não tem caráter de algumas pessoas e além de serem inóspitos, atrapalham outras pessoas, prejudicando-os e fazendo não acreditar nos seus sonhos.

Uma mensagem muito bonita em rima criativa é na faixa "Acredite em Você", onde Thaíde fala da fé, mas da fé que cada um deve ter consigo mesmo, acreditando em si e que os estudos e o trabalho é o mais importante para conquistar o seu espaço e dignidade.


Faixas

Faixa Título Compositor(es)



1 Intro Thaíde 
2 Preste Atenção Thaíde 
3 Você Sabe Quem Eu Sou Thaíde 
4 Afro Brasileiro Thaíde 
5 Revolução Thaíde 
6 Malandragem dá um Tempo Thaíde 
7 Sr. Tempo Bom Thaíde 
8 DJ Hum nos Toca Discos Thaíde 
9 Máquina de Vacilar (Versão Peso) Thaíde 
10 Mó Treta Thaíde 
11 Acredite em Você Thaíde 
12 Desabafo de um Homem Pobre Thaíde 
13 Máquina de Vacilar (Versão Mix 94) Thaíde 


Ouça o Disco



Grandes Discos Brasileiros | 'Fullgás' - Marina Lima (1984)



Uma das cantoras mais talentosas e marcantes dos anos 80 foi Marina Lima que lançou seu primeiro disco em 1979 e após isso veio um disco após o outro e cada um registrando um grande sucesso e outros hits que marcou essa época que tem Marina como um dos grandes nomes.




Entre discos e sucessos destacamos Fullgás, lançado em 1984, sendo seu quinto disco de estúdio. Naquela época o rock nacional crescia e apareciam muitas bandas e cantores, mas poucos emplacavam, pois precisavam de personalidade, talento e grandes canções e esse álbum Marina onde ela arriscou foi um tiro certo. O disco traz uma mistura de Pop com Rock, e claro a personalidade e a voz marcante de Marina Lima.


Marina Lima entre 1984/1985

O disco já começa com o maior hit não só deste trabalho, mas como na carreira de Marina que é o hit "Fullgás" que tem uma letra muito bem composta pela própria Marina e seu irmão, mas o que eleva a qualidade da canção é a melodia bem Pop e com ótimos solos de baixo. O sucesso foi tão grande que se tornou uma das dez maiores canções de 1984. O nome da música vem da brincadeira feita entre o adjetivo "Fugaz" (algo breve) e a expressão americana "Full gas" (cheio de gás, cheio de energia).

Outra grande canção de sucesso e uma das minhas favoritas é "Me Chama" que tem uma belíssima interpretação de Marina, sem falar da belíssima letra e a melodia muito bem impulsionada pelo Pop Rock que predominava na época.

A canção "Mesmo Que Seja Eu" foi outro grande sucesso deste disco, mas também é uma das grandes canções de sua carreira e que também ajudou a impulsionar sua carreira.

A faixa "Veneno (Veleno)" foi escrita por Nelson Motta e é uma daquelas canções fáceis de gostar e de ouvir numa noite tranquila por conta de sua melodia mais romântica. O interessante desta faixa é que ela é antecedida por uma outra faixa chamada "Cícero E Marina" e curiosamente ela não é uma canção e sim uma declamação feita por Marina Lima e seu irmão e também compositor Antônio Cícero, tornando as faixas apenas uma só. Anos mais tarde Marina Lima foi convidada pelos Titãs para fazer algo bem parecido na faixa "Cabeça Dinossauro".

As demais faixas do álbum tem a mesma sonoridade ou a mesma 'pegada' Pop misturada com Rock, tendo uma sonoridade light, ótimas para ouvir sossegado numa noite e durante o trajeto de carro para casa após o trabalho. Sem dúvidas é um disco que traz essa paz e foi tão bem produzido que alavancou de vez a carreira de Marina Lima.


Faixas

Faixa Título Compositor(es)



1
Fullgás
Marina Lima, Antônio Cícero
2
Pé Na Tabua (Ordinary Pain)
Antônio Cícero, Sergio de Souza, Stevie Wonder
3
Pra Sempre e Mais Um Dia
Marina Lima, Antônio Cícero
4
Ensaios De Amor
Marina Lima, Ana Terra
5
Mesmo Que Seja Eu
Roberto Carlos, Erasmo Carlos
6
Me chama
Lobão
7
Mesmo Se O Vento Levou
Marina Lima, Antônio Cícero
8
Cícero E Marina
Antônio Cícero
9
Veneno (Veleno)
Nelson Motta
10
Mais Uma Vez
Nelson Motta, Lulu Santos
11
Nosso Estilo
Lobão, Marina Lima, Antônio Cícero


Ouça o Disco



Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...